25 de maio de 2019

Nada segura a tecnologia

Esta é uma frase de efeito e abrangente. Quando se usa a palavra tecnologia, sempre vem à mente produtos novos, fazendo funções que não se pensava executar até a bem pouco tempo, de forma simples, cômoda e móvel.

 Comece a observar a seu redor as tecnologias que estão se acercando, e muitas delas, você nem mesmo percebeu que está usufruindo. Note que não se vive mais sem a internet nem sem seus e-mails. Perceba que a conectividade e a mobilidade já estão fazendo parte do seu cotidiano.

Hoje não se fala somente “conectado à internet”, se fala também da “internet das coisas”, ou seja, em uma sala de conferências ou em um seminário, um congresso, pessoas reunidas cada um com seus aparelhos – smartphones ou tablets estão conectados uns aos outros automaticamente pela internet com conexão extremamente fácil, sincronizando as agendas e compromissos previamente estabelecidos enquanto se desenvolve o assunto que se está tomando parte.

Hoje já se pode pagar a fruta comprada no semáforo da esquina com cartão de crédito. Pode-se comprar quase tudo pela internet. As coisas estão evoluindo e tomando tal corpo que, quando se percebe, já se está usando uma Smart TV, um Smartphone, um iPad, uma AppleTV, para as mais variadas funções, dentre elas controlar a o uso da energia de sua casa ou escritório. O advento da Internet tornou o mundo pequeno, aumentou a velocidade das informações, disponibilizou e facilitou o acesso à informação, e pode e vem ajudando a contribuir para reduzir as diferenças sociais, derrubar governos, as mais fechadas ditaduras que se pode imaginar, como aconteceu recentemente com a “primavera árabe”.

Responda rapidamente: Quantos por cento de informação você pode acessar de qualquer coisa que você pretende pesquisar ou saber? Há mais de 90% de tudo que você quer saber disponível, e em tempo real!

Paradigmas vêm sendo quebrados…

Tecnoclogia_Finder_Per Automação
Fonte: https://www.findernet.com/pt-br/brazil/news/nada-segura-tecnologia

Hoje o Facebook já se acerca de mais de um bilhão de usuários, que é praticamente a população da Índia. As redes sociais estão no dia a dia das empresas, entre os jovens, entre os adultos e também os de terceira idade que estão usando o “FACE” para se comunicar e compartilhar suas experiências.

As crianças, que começam cada vez mais cedo a entender e utilizar das tecnologias disponíveis, se familiarizam com os aparelhos e sua utilização rapidamente, vários pais já bloqueiam o acesso a compras de aplicativos, pois os filhos, embora com 4 ou 5 anos, já sabem chegar facilmente ao ponto de aquisição de um aplicativo, por exemplo, no smartphone.

Pesquisa recente nos EUA, diz que os jovens entre 19 e 25 anos enviam cerca de 3.500 SMS por mês e conseguem digitar sem olhar para o teclado. Imagine um aluno que, supostamente está prestando atenção na aula, mas na verdade está digitando algo para seu colega que está em outra sala ou outra parte do mundo! O que tudo isto tem de a ver com o assunto automação residencial e sustentabilidade? Tem tudo a ver, pois é por aí que estão caminhando muitos temas, entre eles, a automação predial e residencial.

Temos, porém, que agregar algo a mais para poder entender melhor o que está acontecendo.

As gerações mais jovens estão totalmente inseridas e conectadas fortemente à internet. Por exemplo, os jovens da geração Y, na empresa trabalham conectados, executam tarefas simultâneas, querem mais velocidade de resposta às suas demandas, são ansiosos, manejam e armazenam um volume enorme de informações, querem crescer rápido na carreira e ganhar bem, não dando praticamente tempo para adquirir experiência e colocando-se em conflito quase sem perceber com os funcionários da mesma empresa de gerações anteriores.

Tudo isto, devido ao contexto que estão inseridos, pois em seu local de trabalho há a disponibilidade de todas as tecnologias possíveis para que se execute as tarefas com rapidez.

Ai começa um dilema, pois ao chegar em casa, esta mesma pessoa quer ter as mesmas condições que possui no trabalho, agregando então o tema conforto e segurança de acordo com seu perfil.

Imagine que somente no Brasil, recentemente, mais de quarenta milhões de pessoas começaram a ter acesso a novos produtos, dentre estes de alta tecnologia, disponíveis no mercado. Hoje o número de celulares no país já é maior que a população brasileira!

Assim, começamos a traçar um paralelo com as necessidades das pessoas, e o que se está oferecendo no tema automação predial.

A automação predial ganhou força em especial no Brasil com o advento do Home Theater. Estes últimos 10 anos tem sido de muito aprendizado, aprendizado este, relacionado aos novos conceitos, compreensão das necessidades das pessoas e entendimento de que não se trata apenas de conforto.

Empresas globais, reconhecendo o potencial de mercado brasileiro, estão desembarcando em nosso país trazendo suas soluções e produtos ao passo que as nacionais se concentram na criação, desenvolvimento e fabricação de suas soluções.

Redes de integradores, distribuidores de produtos específicos para a automação crescem a cada dia! A cada dia também é maior o interesse sobre o assunto em todos os níveis. As entidades ligadas a Building Automation no mundo todo estão trabalhando para disseminar os conceitos de automação, com ou sem fio, pré-automação etc., ajudando assim a formar pessoas, grupos e congregar empresas para levar o tema à frente, como é o caso da AURESIDE aqui no Brasil.

As universidades, escolas técnicas e profissionalizantes, de formação de mão de obra qualificada, como o SENAI, oferecem cursos por todo país na busca de capacitar seus alunos para este fim.

Um ponto importante é destacar que as empresas que oferecem a automação predial – residencial já entenderam que faz se necessário se escutar o usuário final, suas necessidades, identificar qual o grau de conforto, segurança, que ele espera obter com a automação, para se oferecer soluções de acordo com o perfil dele, não oferecendo algo engessado, pronto para uso, que muitas vezes está além ou não atende o que o cliente almeja. Muitas empresas, pelo fato de não oferecer alternativas para deixar preparado o empreendimento para receber interfaces e as novas tecnologias, ou até mesmo a pré-automação, deixaram de executar os projetos no passado, perdendo suas receitas quase que definitivamente, pois devido ao custo, o usuário ou construtora optavam por executar as instalações da forma tradicional, dificultando (embora não bloqueando) a aplicação de tecnologias sem fio, ou com cabeamento dedicado. Preparando o empreendimento, as portas ficam abertas para aplicação de qualquer tecnologia que esta disponível.

Entramos agora por outro caminho, que vem cada dia ganhando força no mundo, seja a nível empresarial, governamental ou pessoal: a sustentabilidade.

Os temas Smart City, Smart Grid, economia de energia, sustentabilidade, estão ganhando cada vez mais espaço na mente de todos. Hoje se percebe muito mais pessoas conscientes, e preocupadas com o meio ambiente, não somente com a cidade em que se vive, mas com seu estado, seu país e o mundo. Assim, esta massa de pessoas que está chegando vai exigir muito rapidamente que sua casa seja mais que inteligente, mas seja também eficiente.

O mundo se desenvolveu através do uso das diversas energias, mas ganhou impulso no século XXI com a energia elétrica. Até o ano de 2030, o mundo vai dobrar a necessidade do uso de energia para residências e comércio, e se inserirmos indústrias, transportes etc., esta necessidade tem que dobrar até 2050. Aí vem um dilema: como gerar toda esta energia sem prejudicar o planeta? Cientistas afirmam que até 2050 poderemos no máximo emitir a metade de carbono que se emite hoje. O mundo deverá ter, até 2030, cerca de 8 bilhões de pessoas, ou seja um bilhão mais do que há hoje. Somente a Índia cresce um Brasil por ano!

Traçando este cenário, começamos a compreender melhor a necessidade de economizarmos energia, que está relacionada diretamente a sustentabilidade. Economizar somente é diferente de gerenciar o uso, pois gerenciar significa, em poucas palavras, usar a energia com inteligência. Assim a residência de uso individual, ou o condomínio, ou a indústria, já mostram sinais claros do uso racional da energia, gás e também o controle do consumo da água.

Então os edifícios, casas, condomínios industriais terão de ser construídos ou adaptados para este fim. A quantidade de construções de edifícios verdes chamados de Green Buildings está sendo cada vez maior, assim como a busca do selo verde para edificações já construídas.

Sistemas de certificação para edifícios estão cada vez mais ganhando espaço, entre eles o LEED, AQUA, Procel, EFICA (este ligado ao Ministério de Minas e Energia), Casa Clima entre outros.

O desempenho de máxima eficiência na automação não está garantido simplesmente pelos sistemas e conceitos, projetos arquitetônicos, luminotécnicos, elétricos ou conectividade aplicados em um empreendimento seja autônomo ou coletivo, caso não haja uso correto e gerenciamento dos projetos integrados.

Assim, os usuários devem estar conscientes das tecnologias e suas ferramentas para este gerenciamento.

As construtoras têm solicitado projetos diferenciados buscando sustentabilidade como forma de marketing e vendas, já os arquitetos vêm cada vez mais buscando a sustentabilidade, aplicando conceitos aos seus projetos na redução de energia otimizando a utilização da luz natural, melhorando os sistemas de ventilação, aplicando produtos e conceitos de isolação térmica e acústica proporcionando maior conforto e redução do uso dos aparelhos de ar condicionado e consequentemente a redução do consumo de energia elétrica.

Empresas de projetos elétricos e luminotécnicos têm adotado produtos de baixo consumo e alto rendimento, e também de aplicação e manutenção simples como sensores de movimento e presença, programadores de horário, dimmers, contatores para iluminação com bobinas de baixo consumo, relés de impulso para comando e seleção simples de circuitos elétricos, entre tantos outros.

Já os integradores, executam papel importante, fazendo o uso sinérgico de tudo que se apresenta em termos de projetos, conceitos, necessidades individuais e coletivas do empreendimento como um todo, observando o futuro para aplicação e uso das tecnologias que estão se apresentando, como as energias renováveis aplicadas aos edifícios.

Os dois vilões do consumo de energia são o ar condicionado e a iluminação. No caso da iluminação, note o crescimento da aplicação das lâmpadas econômicas e lâmpadas leds, agora com alto rendimento luminotécnico. Imagine que existem lâmpadas leds que duram cerca de 25 anos! Assim alguns dos que estão lendo este artigo, instalarão lâmpadas leds em suas casas e não chegarão a vêlas substituídas por novas, por questões obvias de longevidade humana.

Hoje diversos fabricantes e fornecedores de automação predial oferecem ferramentas de gerenciamento através da web, mostrando gráficos, módulos interativos, com atualizações, periódicas, cumulativas, onde se pode interagir e selecionar cargas para redução do uso de energia elétricas, gás, ou ainda bloquear ou liberar sensores ou controladores de vazão de água. Tudo isto é possível através de interfaces que recebem e tratam os sinais auferidos e registrados em seu medidor especifico, enviando-os e armazenando-os na web.

Estas interfaces estão instaladas em salas técnicas dos condomínios ou dos painéis de automação das unidades autônomas proporcionando a cada usuário gerenciar suas contas, buscando a sustentabilidade.

O Smart Grid, é conhecido, basicamente como a forma inteligente de gerar, transmitir, distribuir e utilizar a energia elétrica. O uso racional da energia elétrica vai contribuir muito para a sustentabilidade. Números indicam que 36,6 Bilhões serão aplicados até 2022 em Smart Grids.

Sabemos que está em curso a substituição de cerca de 65 milhões de medidores de energia elétrica em todo país. Estes medidores devem ser inteligentes, entre várias funções, tem que ser bidirecional (você pode gerar energia e devolver à rede – vamos abordar este assunto mais adiante), pré pago, dados de qualidade de energia (o usuário poderá ter um relatório de perda de energia, horários etc.) e o principal que é a tarifa branca, assim chamada, para o controle de horário do uso de energia, onde nos horário de pico – dependendo da região do pais –entre 17 e 21 horas a energia tem custos diferenciados possibilitando assim que o usuário economize energia, evitando pagar mais por ela ao mesmo tempo.

O quebra-cabeça começa a se formar quando se fala em cogeração. A ANEEL aprovou em 17 de Abril de 2012, regras destinadas a reduzir barreiras para instalação de geração distribuída de pequeno porte, que incluem a microgeração, com até 100 KW de potência, e a minigeração de 100 kW a 1 mW.

A Resolução normativa 482 da Aneel estabelece pelo sistema, a unidade geradora instalada em uma residência produzirá energia e o que não for consumido será injetado no sistema da distribuidora, que utilizará o crédito para abater o consumo dos meses subsequentes.

Em outras palavras, o usuário poderá gerar energia e venda-la à concessionária conforme a regulamentação de hoje, um para um. Ou seja, no final de um período, verifica-se a quantidade total de quilowatts gerados e injetados na rede da concessionária distribuidora de energia elétrica e, para cada um kW gerado, desconta-se um consumido, pagando-se assim a diferença – por isto a necessidade dos medidores serem bidirecionais e inteligentes.

Dentre as energias renováveis disponíveis, as que melhor se adaptam são a eólica, e em especial a fotovoltaica para o uso em edifícios e casas.

A energia eólica já tomou seu lugar com os parques instalados e sendo construídos em várias Estados do país. A energia fotovoltaica está tendo uma expansão forte no mundo. Imagine na Europa, em especial na Alemanha, Itália, Espanha e nos EUA, particularmente na Califórnia, Japão, Coréia do Sul e China estão muito adiantados, não somente na regulamentação e uso da energia solar em residências, mas na produção de produtos e componentes para instalação, entre estes as placas fotovoltaicas, inversores, cabos etc., gerando emprego e renda nestes países. A China é hoje o maior produtor de placas solares do mundo tomando a posição da Alemanha e mais recentemente dos EUA.

A energia fotovoltaica, assim que puder ser mais competitiva, levam-se em conta os custos de instalação e manutenção, vai proporcionar uma guinada na forma de utilizar a energia dentro das casas. O sol está presente, dependendo da latitude e longitude, basicamente das 6h às 18h, com sua condição máxima de geração às 12h, justamente quando a maioria das pessoas não está em casa. Assim, saber usar racionalmente a energia no final do dia, quando as tarifas forem mais caras, será primordial.

Hoje as concessionárias de energia estão se preparando para isto. Existem vários projetos pilotos em diversas capitais, onde já se instalaram medidores inteligentes e onde em uma delas usuário verifica através de sinalização colorida, se está consumindo, dentro dos parâmetros, ou se está gastando muito para seu perfil, ainda mais as concessionárias estão disponibilizando via internet acesso ao usuário para que saiba de seu consumo. Deste para o gerenciamento das cargas é um passo!

Assim, os projetistas elétricos e os integradores irão ajudar o usuário final a decidir quais funções ele necessitará no medidor de energia. Vai então separar as cargas e possibilitar através da habilitação ou não daquela carga no horário que for mais conveniente ao cliente, de acordo com o perfil de sua família. As concessionárias disponibilizarão uma série de serviços praticamente como é feito hoje nas telecomunicações, pelas concessionárias de telefonia. Em resumo, poderemos mais a frente, pagar por banho tomado!

Juntem-se a isto os automóveis elétricos (híbridos ou não), as bicicletas elétricas que se espalham por várias cidades do mundo de forma vertiginosa onde você poderá carregar a bateria do seu automóvel ou bicicleta no estacionamento do supermercado, ou ainda no escritório enquanto trabalha, e depois, ao chegar a sua casa, conecta-se o carro ou bicicleta e devolve-se a energia armazenada para a rede elétrica.

Sabemos que os governos do mundo todo estão buscando soluções e novas fontes de energia. Embora nosso país tenha uma matriz limpa aproveitando o enorme potencial hídrico, nossa energia elétrica é uma das mais caras do mundo. Vide recente reivindicação da classe empresarial na redução das tarifas elétricas, buscando melhor competitividade. Tanto que o Governo acaba de sinalizar a redução para 2013, tanto a nível residencial como industrial.

Recentes dados do Governo, em especial Ministério de Minas e Energia, indicam que o Brasil apresenta em Matriz Energética um consumo em 2010 de 53% para combustíveis fosseis, com previsão de redução para 51% em 2020. Já em energias renováveis, em 2010 apresentava 45% e previsto para 2020 aumentar para 48%.

Enormes investimentos do governo a nível federal e estadual estão previstos para os próximos anos, na busca redução de energia e fontes renováveis.

Assim, a automação predial está diante de mais um paradigma ser quebrado: Inteligente e efi ciente agregando a sustentabilidade. O tempo em que se pensava, somente em conforto com o Home Theater já passou. As pessoas hoje estão mais engajadas, por isto, todos os envolvidos como construtoras, engenheiros, arquitetos, projetistas, integradores e instaladores devem estar atentos às mudanças e novas tecnologias para preparar, adaptar, projetar e/ou construir a residência de acordo com as necessidades do usuário na questão conforto/segurança, mas em especial a sustentabilidade, no controle e gestão do consumo de energia elétrica, gás e água.

As construtoras devem se atentar para este diferencial a ser oferecido, indo além dos requisitos básicos e oferecer a cogeração, a possibilidade de alimentação de carros elétricos, gerenciamento de energia elétrica, gás e água de uso coletivo. Isto possibilitará a redução do custo do condomínio aliado à sustentabilidade.

Seria isto um diferencial de Marketing e Vendas para a construtora, mas oferecendo algo para contribuir com o futuro das novas gerações.

Nada segura a tecnologia.

Tecnoclogia_Finder_Per Automação
Fonte: https://www.findernet.com/pt-br/brazil/news/nada-segura-tecnologia

Fontes:

Por Juarez Guerra 

Finder S.p.A.